quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

IMPERIALISMO BRITÂNICO NA ÍNDIA

OS PRIMEIROS CICLOS SISTÊMICOS DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL

Veneza e Gênova dominaram o comércio mediterrâneo na Baixa Idade Média, no chamado Renascimento Comercial. A Europa feudal, em colapso, via crescerem os pólos comerciais, as feiras, o renascimento das cidades, o retorno do uso da moeda, a busca do lucro individual e o surgimento de atividades financeiras, nas quais o dinheiro era a mercadoria para ganhar dinheiro. As famílias Médici, florentina, e Függer, alemã, são exemplos do enriquecimento proporcionado por atividades mercantis e bancárias.
A partir do século XV, com as grandes navegações oceânicas, o eixo econômico deslocou-se para o Atlântico-Índico. O Mediterrâneo minguava comercialmente, arrastando as cidades italianas tão poderosas até então. A tomada de Constantinopla pelos turcos, em 1453, e a chegada de Vasco da Gama a Calicute, em 1498, foram o golpe mortal na supremacia histórica do comércio mediterrâneo.
Portugal e Espanha dividiram o mundo e nasciam os grandes impérios coloniais. Os ibéricos, mergulhados na ideologia católica da Contrarreforma, perseguiram e expulsaram judeus. Com eles, o capital móvel de Portugal e Espanha migrou para lugares mais tolerantes, notadamente para a Holanda.
A Holanda estava em guerra contra os Habsburgos do Sacro Império e da Espanha. Mas aproximou-se de Portugal, com o qual formou a associação luso-flamenga, fundamental para a montagem da empresa açucareira do Brasil, financiando, transportando, refinando e, principalmente, distribuindo o açúcar brasileiro no mercado europeu. Assim, a Holanda ficou com a maior parcela dos lucros gerados pelo produto da colônia portuguesa. Tinha, então, a supremacia do comércio Ocidental.
A União Ibérica (1580/1640) e o embargo do açúcar brasileiro por Felipe II da Espanha não acabou com a supremacia holandesa. Ao invadir o Brasil, passou a produzir aqui, com financiamento de uma empresa de capital misto, a Companhia das Índias Ocidentais.
Mas, a Revolução Puritana na Inglaterra, através do Ato de Navegação (1651) de Oliver Cromwell, interrompeu a hegemonia batava e iniciou a supremacia britânica. Fazem parte desse processo os tratados assinados entre Portugal e Inglaterra pelo apoio desta na luta pela Restauração do trono português. Portugal perdera, então, parte de seu império ultramarino, como as Ilhas Molucas e o Ceilão para a Holanda, Tanger e Bombaim para a Inglaterra.
Em 1703, Portugal assinou, com a Inglaterra, o Tratado de Methuen, também conhecido por “Tratado dos Panos e Vinhos”. Enquanto existiu, o ouro brasileiro sustentou os constantes déficits da balança comercial portuguesa ou, como diz um autor, “o ouro do Brasil entrava pela porta de Portugal e saía pela janela”. Ou, ainda, “o ouro provocou buracos na Brasil, altares em Portugal e máquinas na Inglaterra”.
A Revolução Comercial, com a exploração das colônias, o tráfico negreiro, a escravidão, a pirataria e a ação corsária, forneceu capital para a Inglaterra liderar a Revolução Industrial. A Inglaterra consolidou-se como centro dinâmico do capitalismo industrial, em detrimento de outros reinos europeus ancorados no monopólio comercial exercido sobre áreas periféricas.
Mas a produção fabril, em larga escala, não admitia mais a manutenção de mercados enclausurados pelos dogmas mercantilistas.
Na primeira metade do século XIX desmoronavam os impérios ibéricos e a América Latina deixou de ser periferia do capitalismo comercial e passou a ser periferia do capitalismo industrial britânico. O liberalismo econômico derrotara o mercantilismo, mas aperfeiçoava a divisão internacional do trabalho, iniciada pelo regime do pacto colonial das antigas metrópoles.

O NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMO

A partir da metade do século XIX, com os efeitos da chamada Segunda Revolução Industrial, o neocolonialismo e o imperialismo escrevem uma nova história na África e na Ásia. E a Inglaterra confirma sua hegemonia no capitalismo monopolista, discursando sobre as “vantagens” do liberalismo. A Guerra dos Sipaios na Índia, as Guerras do Ópio na China e a Guerra dos Bôeres na África do Sul são inquestionáveis demonstrações da força dos canhões britânicos, em nome do liberalismo econômico.
A Índia, a partir do século XIX, tornou-se um dos mais marcantes exemplos do poder devastador do Império Britânico. Antes, em sua história milenar, existiam aproximadamente setenta mil aldeias de economia autossuficiente. Sua riqueza cultural marcada por dezenas de línguas, centenas de dialetos, múltiplas etnias e religiões.
A beleza e a qualidade de suas mercadorias, especialmente os tecidos, eram apreciadas em todo o mundo. Por exemplo, encantaram Alexandre Magno e os macedônicos que lá chegaram com seu império. E os romanos com seu império. E os muçulmanos, com seu Islão. E os portugueses, com seu império marítimo-comercial.
Porém, foi a “missão civilizadora” do Império Britânico que mudou para sempre a História da Índia. Vejamos o que diz um estudioso do assunto.
“Explorando a Índia, a Grã-Bretanha, hábil em preparar os lucros, sabia ao mesmo tempo evitar as perdas. Desde o dia em que começou a ter na Índia um vasto mercado para suas manufaturas, a Inglaterra esforçou-se por arruinar as indústrias regionais. A Índia havia sido, até meados do século XIX, um país exportador de artigos fabricados. Nas cidades e nas grandes vilas exerciam-se, antigamente, profissões cujos produtos eram conhecidos em todo o mundo. Durante mais de um século e meio foi, sobretudo pelo tráfico dos tecidos finos e dos bordados da Índia e por sua venda nos mercados da Europa, que se enriqueceu a Companhia – antes do desenvolvimento da economia industrial na Grã-Bretanha. Porém, o desenvolvimento da indústria dos tecidos de algodão de Manchester tornava-os rivais dos da Índia. Para lhes assegurar um mercado (...), golpearam a indústria da Índia. De 1814 a 1835, o número de peças de fazendas importadas da Índia pela Grã-Bretanha caiu de 1.266.000 para 306.000. Em contraposição, o baixo preço das fazendas bitânicas fez com que elas fossem aceitas no mercado da Índia, onde pouco a pouco substituíram os tecidos locais: de 1814 a 1835, sua importação de 818.000 jardas subiu para 51.777.000. As indústrias indianas estagnaram; a vida industrial declina cada vez mais em lugares outrora florescentes. A Índia tornou-se um país quase que exclusivamente agrícola, produzindo matérias-primas e recebendo os artigos manufaturados do estrangeiro".
(GEORGE, Pierre. Geografia Econômica. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura, 1970)

Vejamos o que diz outro estudioso: “O domínio britânico sobre o equilíbrio de poder europeu foi suplementado e complementado pela consolidação do império territorial da Grã-Bretanha na Índia, depois do chamado Grande Motim de 1857 [Guerra dos Sipaios, palavra de origem híndi (shipahi) que significa soldado]. O controle sobre a Índia significava comandar recursos financeiros e materiais – inclusive recursos humanos militares – que nenhuma nação ou conjunto provável de nações poderia igualar e nenhum grupo dominante, de momento, poderia desafiar em termos militares.[...] Ao mesmo tempo, o regime britânico unilateral de livre comércio [liberalismo econômico] ligou o mundo inteiro à Grã-Bretanha. Esta se tornou o “mercado” mais conveniente e eficiente para obter meios de pagamentos e de produção e para colocar produtos primários. [...]Além disso, como em todos os ciclos sistêmicos de acumulação anteriores, a intensificação das pressões competitivas acarretada pela fase de expansão material associou-se, desde o início, a uma grande guinada do comércio e da produção para as finanças, por parte da classe capitalista britânica. A segunda metade do século XIX caracterizou-se não apenas por grandes levas de exportação de capital da Grã-Bretanha, como já foi assinalado, mas também pela expansão das redes bancárias provinciais britânicas, aliada à crescente integração delas nas redes de City, o centro financeiro londrino” (ARRIGHI, Giovanni. O Longo Século XX: Dinheiro, Poder e as Origens do Nosso Tempo. São Paulo. Contraponto/UNESP, 1996).


DO IMPERIALISMO BRITÂNICO AO NORTE-AMERICANO

A Guerra de Secessão consolidou o capitalismo nos Estados Unidos da América. O Norte burguês, industrial e protecionista se impôs ao Sul aristocrático, agrário, livre-cambista e escravista. Na virada do século XIX para o XX, a Doutrina Monroe desembocou na Doutrina Roosevelt e no Big Stick de Theodore Roosevelt. O capitalismo norte-americano, consolidado internamente, debruçou seu olhar para a América Latina. O Destino Manifesto, fundamento ideológico da expansão territorial interna, ultrapassou as fronteiras físicas. Os territórios conquistados ao México, o caso panamenho contra a Colômbia em função do canal do Panamá, a Emenda Platt imposta a Cuba, a invasão dos mariners em Tampico, no México revolucionário são exemplos inegáveis do embrionário, mas já truculento, imperialismo norte-americano. Dispensando metáforas, em 1912, o Presidente Willian H. Taft disse: “Não está longe o dia em que três bandeiras de listras e estrelas marcarão em três lugares a extensão do nosso território: uma no pólo Norte, outra no Canal do Panamá e a terceira no pólo Sul. Todo hemisfério será nosso, de fato, como, em virtude de nossa superioridade racial, já é nosso moralmente”.
Ao se dissipar a fumaça da Primeira Guerra Mundial, Washington substituía Londres como pólo do capitalismo. Os Estados Unidos passaram de devedores a credores da Europa. E sua burguesia traduziu a guerra como um grande e lucrativo negócio. Seus produtos entraram em áreas até então dominadas por mercadorias europeias, inclusive na própria Europa.
Segundo alguns analistas, a Primeira Guerra Mundial fez surgir o “quarto ciclo sistêmico de acumulação”, precedido pelo genovês (século XV e XVI), pelo holandês (séculos XVI e XVII) e pelo britânico (séculos XVIII e XIX). Nos dizeres de Giovanni Arrighi, o ciclo norte-americano dominou o “longo século XX”.
No início do Período Entre-Guerras, muitos empréstimos e investimentos ingleses (e franceses) se perderam com a Revolução Bolchevique e com a Guerra Civil (1918/21) na Rússia. Enquanto isso, o capitalismo norte-americano dava enormes saltos de ganhos em produtividade, frutos do avanço tecnológico e metodológico implementados na produção. Mercadorias com a marca Made In USA ganhavam o mundo. A Crise de 1929 e a Grande Depressão nos anos 30 do século XX nasceram nos Estados Unidos, mas atingiram todo o mundo capitalista. Não interromperam o processo da ascensão norte-americana no cenário mundial, apenas o retardaram. Estruturalmente, entrava em crise o liberalismo clássico, ortodoxo. O New Deal de Roosevelt, fundamentado em Keynes, começou a recuperação dos Estados Unidos e, durante a Segunda Guerra Mundial, o desemprego norte-americano, que tinha chegado a 25% da população ativa, tangenciou o zero.
Assim, no Período Entre-Guerras e, principalmente, na Segunda Guerra, os Estados Unidos confirmaram sua posição de centro do quarto ciclo sistêmico de acumulação.
Recorro novamente a Giovanni Arrighi sobre os efeitos internacionais da Segunda Guerra Mundial: “... esse confronto traduziu-se no estabelecimento de uma nova ordem mundial, centrada nos EUA e organizada por esse país. Em alguns aspectos fundamentais, ela diferia da extinta ordem mundial britânica e se transformou na base de uma nova fase de reprodução ampliada da economia mundial capitalista. No fim da Segunda Guerra Mundial, já estavam estabelecidos os principais contornos desse novo sistema mundial: em Bretton Woods foram estabelecidas as bases do novo sistema monetário mundial; em Hiroshima e Nagasaki, novos meios de violência haviam demonstrado quais seriam os alicerces militares da nova ordem; em São Francisco, novas formas e regras para a legitimação da gestão do Estado e da guerra tinham sido explicadas na Carta das Nações Unidas”. Em 1947, ano do lançamento da Doutrina Truman e do Plano Marshall, os Estados Unidos detinham em seus cofres 70% do ouro do mundo. Para impedirem o avanço socialista, transportaram para o bloco capitalista, por eles liderado, a “segurança social” iniciada internamente com o New Deal. O Plano Marshall e o derrame de dólares nos países do bloco pretendiam estancar o caos social do pós-guerra, para anularem o crescimento da outra vitoriosa da Segunda Guerra, a União Soviética. Era o mundo bipolar da Guerra Fria, uma nova ordem em relação à velha ordem do imperialismo britânico passado.

4 comentários:

  1. professor tenho uma pergunta: A única intenção das potências econômicas europeias durante a expansão imperialista era de encontrar matéria-prima e mão-de-obra barata devido aos custos que se teria produzissem em seus próprios países?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir