domingo, 20 de março de 2011

SEBASTIANISMO

A dinastia de Avis governou Portugal de 1383 a 1580. Entre 1383 e 1385, a Revolução de Avis evitou que Portugal perdesse sua independência. Em 1580, caiu nas mãos da Espanha.

Durante a dinastia de Avis, Portugal formou seu império ultramarino, iniciado por D. João I. Entre 1495 e 1521, o trono foi ocupado por D. Manuel I, “o Venturoso”. Vasco da Gama chegou às Índias e Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil. O apogeu de Portugal ultramarino ocorre com D. João III, entre 1521 e 1557, com a colonização do Brasil. Metade do mundo era o Império Português.

O colapso da dinastia e, por conseguinte, de Portugal, começou com D. Sebastião, “o Desejado”, rei de 1557 a 1578, tendo sido coroado com apenas três anos de idade. O governo ficou nas mãos de regentes, até a posse do jovem rei. D. Sebastião nunca se casou, apesar de muitos esforços palacianos nesse sentido. Não teve filhos, e a sua dinastia correu o risco de ficar sem herdeiro direto, o que, de fato, aconteceu. Católico radical, defensor das decisões da Contrarreforma, combateu os "infiéis". Invadiu o Marrocos para lutar contra muçulmanos e, na batalha de Alcácer-Quibir, seu exército foi destroçado. O corpo do rei jamais foi encontrado.

Portugal passou a ser governado, até 1580, pelo cardeal D. Henrique, tio-avô de D. Sebastião. Com a morte deste, terminou a dinastia de Avis e começava a União Ibérica, com Felipe II da Espanha. Começava também o ocaso do império português, fragmentado a partir de então.

O clima de frustração, de perda da independência, de desastre, atinge o povo luso, especialmente as camadas mais humildes, mais pobres, mais mal informadas, agarradas ao obscurantismo religioso. Para elas, a situação era um “castigo de Deus”. Acreditavam também na redenção dos males sofridos e que Portugal voltaria a ser poderoso. E a redenção seria liderada pela volta de D. Sabastião. O desaparecimento do corpo do rei tornou-se um mito. Nascia o sebastianismo, considerado por alguns estudiosos como o maior de todos os mitos portugueses e brasileiros.

O sebastianismo tornou-se, então, um espécie da messianismo, uma crença justificadora da situação funesta e, ao mesmo tempo, aglutinadora de esperanças de melhores dias, como os dias do passado. O fenômeno foi tão forte que contagiou camadas mais esclarecidas e influenciou a produção literária, como a do Padre Vieira (1608 a 1697) e a do poeta Fernando Pessoa (1888 a 1935). Uma leitura mais atenta de Mensagem revela o forte sebastianismo na obra de Pessoa.

Também a cultura brasileira sentiu os efeitos do sebastianismo. Várias revoltas internas tinham esse componente. A mais estudada é a liderada por Antônio Mendes Maciel, o Antônio Conselheiro, conhecida como Revolta de Canudos, nos primeiros anos da República. A comunidade de Canudos - seu cristianismo primitivo e messiânico, sem propriedade privada, com igualdade social - era odiada pelos latifundiários baianos, pela Igreja Católica e pela República, ainda em fase de consolidação.

5 comentários:

  1. Oito parágrafos que valem como quinhentas páginas: síntese fabulosa! Talvez se possa a partir de então traçar o vetor que logo depois levou toneladas de ouro do Brasil para Portugal pra virar mármore e vitral em catedrais, enquanto na Inglaterra a força do carvão inventava cavalos à vapor...

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pelo texto, professor.
    Me ajudou bastante. ;)

    ResponderExcluir